Páginas

segunda-feira, 16 de julho de 2012

O caminho até aqui...um pouco sobre a minha vida.

Olá Girls como vão vcs?
Eu estou boa e congelando aqui em Joinville!!!
Antes de tudo vou responder a pergunta da Linda no post anterior... Quando eu disse que quando falo para o marido que quero casa e ele desconversa, é pq eu digo que quero casar de novo! rsrs.

Hoje eu acordei nostálgica, e decidi contar pra vcs um pouco da minha vida, e oremos para que o post saia curtinho...

Ao som de Kansas... Somente os fãs de sobrenatural entenderão!!!
Mas a letra da música é sensacional!!!



Nunca tive uma vida fácil, na infância sofria horrores por ser pobre, negra e gordinha, a escola foi para mim um terror até os meus 12 anos pq as crianças eram maldosas e viviam puxando meus cabelos que eram muito crespos, na adolescência sofri menos mas ainda sofri, as meninas me chamavam de gorda, de zoiuda, de queixuda e que eu não sabia me vestir... mas minha mãe era uma mulher divorciada, coisa que em 1990 era muito mal visto, uma mulher com 4 filhos e sem marido era uma vergonha, e acham que ela tinha condições de comprar roupas pra 4 crianças? Jamais, vivíamos de doações de amigos, de parentes, de vizinhos, e pra ser sincera eu ficava muito feliz em usar as roupas e os calçados velhos, e ficava mais feliz ainda quando nós ganhávamos arroz e feijão, pois comíamos fubá ralinho na maior parte dos dias, ou quando tínhamos arroz e feijão a mistura era ovo ou carne moída, na década de 90 a carne moída era 1% carne e 99% de gordura, eu detestava e minha mãe me obrigava a comer, então hoje eu NÃO posso com carne moída... Meu pai? Vazou da boca sem olhar para trás!


Ou seja, a minha infância e adolescência foram terríveis, minha mãe é enfermeira e trabalhava de noite, então com 9 anos eu cuidava dos meus irmãos que tinham 8, 6 e 3 anos, as madrugadas eram terríveis pois eu morria de medo de entrar ladrão ou bicho em casa. Fomos despejados de duas casas, e aos 14 eu comecei a trabalhar para ajudar, aos 16 simplesmente me revoltei com a vida, nunca me dei bem com a minha mãe, tive uma depressão forte e depois que melhorei decidi virar uma rebelde, aí já viu né, foram problemas atrás de problemas... o mais engraçado de tudo isso é que o Fernando sempre esteve ao meu lado, começamos um rolo quando eu tinha 13 anos, a família toda foi contra o namoro, afinal eramos primos em primeiro grau... Pra quê ficaram contra? Pra nós nos aproximarmos mais ainda é claro!!!

Meu marido foi fundamental na minha vida, sempre me dava concelhos, embora eu nunca os seguisse sempre ficou do meu lado, as vezes até saia pra balada comigo, e assim se passou um tempo, reprovei na escola e o baque foi grande, os 'amigos' que já me atormentavam caíram matando sobre mim, fora minha mãe e o resto da família, então eu decidi que dali por diante mudaria, que seria alguém na vida. Meu marido lindo me apoiou e começou a me ajudar nos estudos, eu sempre fui viciada em livros, talvez pq os livros nos levam a mundos diferentes, nos prendem em suas histórias, então ele me emprestava livros, conversávamos sobre um possível vestibular, sobre a possibilidade de me formar, de ter um bom emprego, enfim melhorar de vida... Então em 2000 o Fer entrou pro curso de Contabilidade na Universidade Estadual de Londrina (UEL), muito concorrida por sinal, e eu terminei o colégio em 2004, no ano em que ele se formou, eu trabalhava o dia todo e fazia o colégio a noite, depois fazia o cursinho a noite e bombei no primeiro vestibular pra Filosofia (Graças a Deus), e em 2006 pedi as contas do serviço com muito pesar só para estudar e como não teria grana para o cursinho comecei a estudar em casa, levantava as 7 da manhã estudava até as 9 da noite todo dia de segunda a sábado, só parava para comer... Resultado? Fui aprovada em sexto lugar na UEL para o curso de História \o/


Acham que passar para uma boa faculdade pública em sexto lugar foi motivo de orgulho? Jamais né, os amigos não acreditaram que eu havia passado em tão boa colocação pelo fato de eu ser uma negra saída de uma escola publica da periferia, e que se inscreveu no sistema de cotas no vestibular e passou em sexto lugar sem a necessidade de entrar por cotas... minha melhor amiga olhou na minha cara e disse que passar por cotas era fácil, fiquei muito chateada!!! Passar no vestibular foi fácil, o duro foi me manter na faculdade, afinal não tinha grana pro ônibus e os xerox de um estudante de História custam caro! Então eu geralmente lia o texto de algum amigo, pegava os livros na biblioteca... até que um professor me disse que haveria uma inscrição para alunos bolsistas, eu me inscrevi e Graças ao bom Deus passei a receber R$300,00 mensais, mas eu tinha que participar de um projeto na faculdade, então eu estudava de manhã e fazia o projeto a tarde, fui bolsista por 2 anos, em 2008 fui morar com o Fernando em um apartamento que ele conseguiu pela COHAB, e eu tive  que arrumar um emprego, deixei com muito pesar o projeto e arrumei um emprego pois trezentos reais era muito pouco para ajudar em casa ...

E só depois de entrar na faculdade, me manter nela e me 'casar' eu comecei a ser respeitada pela minha mãe, nós nunca nos demos bem, e isso só melhorou quando eu sai de casa... O meu marido sempre estudou muito pra concursos, e passou em muitos, como vcs sabem passar é fácil, o duro é ser convocado. Então depois de 3 anos de estudo ele passou em dois concursos, um aqui em SC e outro no RS e foi convocado... Com muita dor no coração deixei Londrina, abri mão de ver meus sobrinhos todo final de semana, larguei o emprego, e não pude fazer o mestrado que tanto queria na UEL. Assim que cheguei aqui fiz dois concursos para a rede publica e passei nos dois, estou esperando a convocação, e estou a espera das aberturas de seleções de mestrado nas faculdades de Floripa, ano passado as provas para o mestrado caíram na semana do nosso casamento...

Hoje vivemos em um lugar bacana aqui, mas ainda sofro preconceito, no elevador do meu prédio já fui confundida TRÊS VEZES como doméstica, na academia sou a ÚNICA aluna negra, assim como na pós graduação e as pessoas ficam me olhando com umas caras de espanto, como se pessoas negras fossem raras ou são condenadas a trabalhos braçais sem a possibilidade de morar bem, de estudar ou de malhar numa academia bacana... o preconceito não tem lugar fixo, está no Brasil todo. 
Nunca tive e nem tenho a pretensão de ser rica, serei uma professora de escola publica e sabem pq? Pq eu PRECISO mostrar para os jovens e adolescentes que através da educação é possível mudar de vida, que através do estudo a vida pode ser melhor, que pra ser feliz não precisa ser rico, e sou um exemplo disso... já passei o diabo nessa vida e o que eu contei não é nem metade! O meu casamento foi o único luxo que nós nos demos, pois juntamos grana por 4 anos (e nem era para o casamento), economizamos muito para a festa, afinal depois de 10 anos um casamento bacana era necessário e sejamos sinceras, só se casa uma vez na vida, então fizemos com a nossa cara (mais com a minha vai). Lógico que pelas costas as pessoas falaram mal, e os fofoqueiros fazem questão de nos contar isso! É sempre tenso o contato com outros seres humanos, pois eles vêem as pingas que eu tomo, mas não os tombos que eu levo!!

E pra finalizar, posso dizer que agora estou emagrecendo legal, e acredito que isso se deva ao fato de estar com a vida mais tranquila, no sentido que não tenho pressão social para emagrecer, não tenho minha mãe pra me afundar com palavras negativas, e tenho ao meu lado a 10 anos o homem mais lindo do mundo!!!
Sinto saudades de Londrina o tempo todo, hoje me dou melhor com a minha mãe e me dou extremamente bem com meus irmãos, e nem sempre foi assim! E tenho dois sobrinhos lindos e mais 2 emprestados do Fer, que são na verdade meus primos! E a família já aceitou nosso casamento a um tempo, e em relação aos nossos filhos? Não temos pressa, e o papo de que teremos filhos com problemas mentais não nos afeta, afinal não cai uma folha de uma árvore se Deus não quiser! Não vou sofrer por antecedência!!


Beijooooos gatas!!!
Boa semana pra nós!!!!



Frase do dia
"Não sabendo que era impossível, foi lá e fez!"

3 comentários:

  1. Oi Nicole!!
    fiquei emocionada com sua história!! mas vc é guerreira e venceu! essa parada de primos já há tempo vem sendo desmistificada!!!
    Parabéns!! fico orgulhosa de ser sua amiga mesmo que virtual
    beijocas

    ResponderExcluir
  2. Nicole,

    Também fiquei emocionada e admirada com a tua força menina :-)

    E achei uma história de amor das boas, rs!

    Bjs

    Anita
    www.ocasamentodeanitaefelipe.com
    www.anitabacana.com

    ResponderExcluir
  3. Cara, que história. A gente consegue as coisas na vida com perseverança né? Gostei de conhecer mais sobre vc, estou ensaiando contar um pouco mais sobre mim lá no meu blog tb.
    Bjs

    ResponderExcluir